quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

POST DE QUINTA - MONÓLOGO...

EDITORIAL



Tava pensando umas coisas por esses dias (sim, meu cérebro ainda comporta pensamentos e coerências, não necessariamente nessa ordem) sobre os livros que estou lendo.
Primeiramente, eu sou uma pessoa antiquada e quadrada com relação a algumas coisas. Ainda acredito na bondade do ser humano, ainda acredito na amizade entre as pessoas e no amor da família e de um homem e uma mulher. Já fui mais crítica e chata com as coisas que as pessoas gostam e eu não, mas hoje posso dizer que aprendi a respeitar a opinião e gosto das pessoas... Assim como gosto que respeitem os meus. 

Vou escrever sobre o tema "livros" hoje. Essa onda de eróticos que ta abalando Bangu. Enfim.
Quando eu era adolescente e rebelde menudete, eu lia muitos livros impróprios pra minha idade. Portanto, não foi minha criação "tacanha" (como dizem alguns) que me fizeram ter a opinião que tenho hoje. Sempre fui muito esclarecida desde criança com as coisas do mundo (a ponto de, aos 14 anos, no ano de 1984, explicar a uma amiga o que era um preservativo - ela apontou no mercado e falou em alto e bom som: "o que é isso?". kkkkkkkkkkkk - o que era um tabu na epoca) e não pelo fato também de ser evangélica ( o que muita gente critica sem nem ao menos conhecer a verdade do evangelho). Calma que chego lá.

Li o livro 50 Tons de Cinza e gostei (relutei muito pra comprar, e só o fiz porque a loka da Ba conseguiu por um preço baixo na Bienal). Não exclusivamente pelo fato das cenas de sékiço e dominação, mas também por tem um Grey gostoso, delicioso, nahm nham atormentado que me fez querer terminar os 3 livros numa tacada só. Confesso que demorei pra começar a ler o livro 3, por conta de tanto sékiço e repetições ao longo dele. Veja bem, eu gosto das cenas de sexo, inclusive nas minhas histórias tem. Só que em exagero cansa. Assim como eu leio um livro da Diana Palmer e dou um tempo pra ler outro, porque os mocinhos são atormentados demais, as mocinhas frágeis demais, etc etc.

Ao ponto. Li Toda Sua, da Sylvia Day. Não bastava ser uma cópia de fatos de 50 Tons, me deu a impressão de estar assistindo um daqueles filmes da Band, Cine Privé. Logicamente o livro tem um enredo até interessante (tirando 70% da cópia de 50 Tons), mas também tem uma Eva com um passado triste e difícil, mas com tendências vagabísticas que não desceu redondo não. Fora as cenas homo (que não gosto, mas eu li numa boa pra entender a história) que aparecem em forma de orgias com 4 pessoas. Vish. No começo, achei o Cary (o amigo bi da Eva, que fez a orgia toda), um tanto centrado. Mas a autora simplesmente desvirtuou o cara (ele era drogado, se regenerou e virou cafa de novo). Ok, ninguém é perfeito e muito menos 100%, mas não entendi essa mudança. Enfim.

Então eu comecei a ler Profundamente Sua, na forma gasosa. Fui ver pra comprar, e como tava muito caro aqui em Bauru, não comprei. Graças por isso, porque economizei minha grana pra comprar Rosa Negra e Amante Renascido... 
Sei que muita gente não vai concordar comigo, que o livro da Sylvia é mais bem escrito, etc. Mas pra mim, Carla, não colou. To terminando de ler o livro 2 e vou ler o livro 3, Para Sempre Sua. Detesto deixar coisas pra trás, ainda mais com o passado do Gideon (vide Grey) sendo revelado. Creio que gosto de um homem atormentado que chora... kkkkkkkkkkkkk.

Por conta disso, to fugindo um pouco dos livros eróticos. Quero muito os livros da Bella Andre (os Bad Boys do futebol) sendo publicados. Quero muito os Bombeiros da Estação 5 da Jo Davis também. Mas não vai ser qualquer livro mais que vai me fazer ler porque é erótico; quero saber onde to pisando.. Os livros da Harlequin são sensuais e tem cenas de sexo, portanto ta tranquilo.

Se a tradução da Irmandade da Adaga Negra fosse fiel ao original, daria banho em qualquer erótico antes dessa onda toda. Vishous é um dominador que faz seus melhores trabalhos numa pia de banheiro. kkkkkkkkkkkkk.

Por favor, não tomem esse monólogo como uma crítica pra quem gostou. Já expliquei que vou ler a saga completa, mas pelo momento, não to gostando. E 50 Tons eu li, apesar da escrita sofrível, porque a E L conseguiu me fazer ver um Grey além do dominador. O Gideon, apesar de todo seu passado triste, não conseguiu.

Ainda essa semana venho com 3 resenhas da família Gambrelli. Rapaiz, vou te falar... Esses sicilianos... *___*

PS: Não tenho fotos do Gerardão (ele ta escondido na Escócia) e nem nada pra postar de Doideira. Atenciosamente... EU!



Beijos!

0 Marcando Presença!:

Layout por Flavinha Garota de Aquario.